Santa Casa BHSão LucasIEPFunerária Santa Casa BHCEMIGAP


Por dentro da CME

08/02/2017

     
Considerada uma das maiores centrais de esterilização de Minas Gerais, a Central de Material e Esterilização (CME) do Grupo Santa Casa BH processa mensalmente 40 mil itens utilizados na assistência aos pacientes da instituição, entre eles instrumentais e enxovais cirúrgicos (campo e capote) - classificados como produtos críticos - e produtos utilizados na assistência ventilatória - semicríticos.

Para garantir a qualidade e a presteza do serviço, o setor funciona 24 horas e conta com tecnologia de ponta, sistema de rastreabilidade informatizado, monitoramento de todas as etapas do processamento e equipe técnica qualificada em conformidade com legislação específica para o processamento de produtos para saúde.
 
O setor - que presta serviço para a Santa Casa BH, o Hospital São Lucas e o Centro de Especialidades Médicas SCBH - é primordial para a continuidade da atividade assistencial do GSCBH. Atualmente, a CME possui 55 técnicos de enfermagem, 7 enfermeiros supervisores, 1 estagiário de Enfermagem e 3 profissionais da área administrativa. Além disso, conta com a parceria da empresa ‘AGEIS CME’ - que fornece insumos, sistema de rastreabilidade, manutenções preventivas e corretivas de equipamentos e instrumentais cirúrgicos.
 
De acordo com o coordenador da CME, Vinícius Machado, nos últimos 3 anos foram implementados no setor diversos processos e padronizações de conduta e fornecimento que culminaram em uma economia financeira para o Grupo Santa Casa BH: “em 2016 o custo operacional da CME diminuiu R$ 623 mil. O próximo passo é absorver o processamento de produtos para saúde feito atualmente pelo Centro Cirúrgico da SCBH, economizando até R$ 576 mil no ano. Com essas adequações tomadas - considerando os valores acumulados em 2016 e 2017 - será possível economizar, em 2017, até R$ 1,2 milhão”.
 
De 2014 a 2016, diversas ações estratégicas foram executadas para aumentar a capacidade produtiva do setor, entre elas a redução de custos - que incluiu o racionamento de insumos e a diminuição de 30% do consumo de energia elétrica - otimização da produtividade das autoclaves, redução de manutenções corretivas dos equipamentos, alteração do prazo de validade das embalagens, além da renovação do parque tecnológico.
 
Outra preocupação constante da Central de Material e Esterilização é o treinamento de seus funcionários. Destaque para a formação dos enfermeiros supervisores que já cursaram ou estão cursando o curso de pós-graduação em Enfermagem em Centro Cirúrgico e Central de Material e Esterilização, buscando assim alto grau de especialização, garantindo aos clientes produtos de qualidade e confiabilidade quanto à integridade, funcionalidade e esterilização.